Das Lutas

Coletivo

Poema da Propriedade Privada

A narca

Por Fernando Monteiro:

Sempre oposto, reverso do avesso

Antagônicos, contrários, se atraem

Conflitam-se até que se confundem

Do conflito nascem novas ordens e novas contendas

É assim no amor, no esporte, na festança

A humanidade se move no conflito

Esse conflito aberto, de consciência inconsciente

Da soberania de uns contra a liberdade de todos

O comum é marcado, cercado, subtraído

Deixa de ser comum, passa a ser de um

Assim o camponês não tem o grão nem a enxada

Nem a terra e nem nada

E ele esperneia como um recém-nascido em um mundo construído:

Quem roubou-me as ferramentas?

Pois se enganam os que dizem que isso é natural.

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Informação

Publicado em 6 de junho de 2013 por em Resistências Estéticas.
%d blogueiros gostam disto: