Das Lutas

Coletivo

Sobre o ataque midiático e militar ao Complexo da Maré e ao Movimento

Foto de celular por Aramis Assis

Maré resiste ao BOPE. Jun 2013. Foto de celular por Aramis Assis

Só numa cidade como o Rio de Janeiro, com uma estrutura de poder midiático-militar (e escravocrata) como a que temos aqui é possível pensar em acontecimentos como o de ontem no Complexo da Maré. Um trabalhador leva quatro tiros na cabeça – não um, nem dois – e fala-se em ‘balas perdidas’ (?!); várias pessoas morrem com sinais de execução (inclusive facadas, segundo depoimentos de moradores) e a imprensa, ou pelo menos parte dela fala em confronto “entre traficantes e a polícia”.

Ora, que haja traficantes envolvidos no assassinato do policial (quando o primeiro morador já havia sido assassinado, é bom que se diga) é possível conceber, que se reduza essa chacina, esse verdadeiro massacre a um confronto definido e isolável entre os traficantes e policiais é um ESCÂNDALO!; só tornado possível por essa comunhão macabra entre o governo do estado, a mídia monopolista e uma parcela da opinião pública.
É preciso que se diga que o que ocorreu ontem foi antecipado (e mesmo anunciado) pelo Governador do Estado do Rio de Janeiro, sr. Sérgio Cabral, há uma semana , e o sentido do recado foi claro: manifestações em favelas (ou envolvendo moradores de favelas) não serão toleradas, custe o que custar.

De outra parte, a operação só se torna completa com a cobertura criminosa e cúmplice da imprensa – apavorada com o crescimento do movimento, considerado incontrolável e mesmo imprevisível – sempre disponível para dar legitimidade a chacinas e massacres como esse e garantir que a estrutura básica da sociedade brasileira não mude, a mesma que vem sendo frontalmente contestada pelo movimento.

Que ninguém se engane: a violência brutal com que o Estado e a mídia tentam esconjurar uma possível união do movimento com a favela – como se essa união já não estivesse plenamente em curso – dá a dimensão do medo e do ódio que as recentes manifestações tem desencadeado no bloco do poder.
Mas ontem as máscaras caíram definitivamente: a violência que tanto alarmas as elites é, na verdade, a possibilidade de que a violência que ela destina cotidianamente aos pobres dessa cidade e desse país possam, em algum momento se voltar contra ela. E o movimento já percebeu isso. Ontem ele amadureceu um pouco mais.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Informação

Publicado às 26 de junho de 2013 por em Para seguir lutando e marcado , , , .
%d blogueiros gostam disto: