Das Lutas

Coletivo

Outra forma de entender, vivenciar e gerir a educação

professores-quem-se-importa

Neste momento que reúne alegria popular por certas conquistas e continuidade de outros tantos enfrentamentos, percebemos que os intensos movimentos das ruas produzem, mais do que rachaduras, novas possibilidades de proliferação constitutiva, grito e mundos juntos.

Em parte, este parece ser o caso da manifestação dos professores. Digo ‘em parte’ por que em várias manifestações ficou claro que os professores agem muitas vezes contrariando algumas ordens dos sindicatos. Eles se opuseram a uma série de apelos institucionais que partiram tanto dos governos quanto dos próprios sindicatos, quando estes responderam às demandas dos professores com negociações paliativas. A recusa do aumento de salário como única forma de atender toda a pluralidade de demandas que partiam dos professores parece ser o exemplo mais claro disso. Podemos citar também os constantes embates públicos (via facebook, por exemplo) entre uma parte que trabalha em prol de sindicatos mais centralizados e professores militantes que desejam bem mais que pequenos ganhos classistas. Eles dizem claramente que se trata de uma outra forma de entender, vivenciar e gerir a educação. Isto está na pauta dos professores, e eles insistem corajosamente em sua construção.

A greve se mantém, e é por esta outra educação que eles lutam. Uma educação onde o resultado não seja contabilizado simplesmente como aumento ou diminuição de investimentos, onde aprender não esteja submetido aos objetivos imediatos de mercado, onde o processo pedagógico esteja aberto  à alteridade dos saberes e das vidas.

Dissemos acima que se trata de um momento em que grito e mundos estão juntos – ou seja, reivindicação radical e outras formas de viver reais -, porque a potência desta greve não é só exigir as velhas melhorias em educação, é pleitear outro espaço, é construir, a partir do estado atual das lutas, um conjunto de condições materiais que nos precipite  novas formas e forças. Enfim, uma educação que, no limite da borda temporal que constituímos nas diversas manifestações, irrompe a invenção material de relações e instituições populares e autônomas.

*Por Ricardo Gomes – Das Lutas

Anúncios

2 comentários em “Outra forma de entender, vivenciar e gerir a educação

  1. AntimidiaBlog
    26 de setembro de 2013

    Republicou isso em reblogador.

  2. Pingback: Pedagogia da multidão | O lado esquerdo do possível

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Informação

Publicado às 26 de setembro de 2013 por em Para seguir lutando e marcado , , , , .
%d blogueiros gostam disto: